SEJAM BEM VINDOS

Quem ama a Natureza, vai se apaixonar pelo Candomblé...Religião de matriz africana, que cultua todas as forças e elementais da Natureza. Sejam bem vindos e participem!

Obá Odé Kitalamyn

Este Blog Tem a finalidade de contar as minhas origens dentro do Candomblé, desde a pequena cidade nigeriana de Eniyawurá, até a chegada do Axé no Brasil, pelas mãos de Rufino (Ungibemin), passando por Hilário (Ojú-Obá), Mario Barcellos (Obá-Telewá), até chegar em minhas mãos.

Como dirigente máximo do Axé do Xangô de Ouro, hoje comando esta Família ! Este Blog vai mostrar a História do Axé, ilustrações, imagens, vídeos, membros, enquetes, fóruns, entre outras coisas. Faça parte deste universo. Seja bem vindo!

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Reza Angola

Reza para as Mametus, ou seja, para as Santas femininas cultuadas na Nação Angola. Essa reza tem por objetivo, saudar as Mametus, pedindo paz, proteção e a chegada de boas notícias, boas novas...



"Oh, umbú yiú bê de mêa...
Oh, luangangí kaiangô...

Umbú yiú a gangí kaiangô.
Ade usutú, ade usutú, eh, mametu, Kaiangô!"

Essa reza vem logo em seguida da Reza Sekessedi, que faz parte do Ingorossí, reza fundamental da Nação Angola e que tem um profundo fundamento para quem segue a Nação.


13 comentários:

  1. Ola, boa tarde, como vai?, qual a tradução desta reza, abraços, axé, mukuiu.

    ResponderExcluir
  2. Tem como botar a escrita da Sekessedi?

    ResponderExcluir
  3. adorei o video da reza sekessedi. pode colocar a letra dela no blog.mutumba

    ResponderExcluir
  4. ola... mukuiu ! gostaria de segui-lo no orkut, mas la pede o email, e eu nao sei... abçs

    ResponderExcluir
  5. ola garoto,desculpe homen formado e vitorioso,Mario Cesar,Kitalamy,estou feliz por lhe encontra depois de muitos anos,de noticias do Priarca do asé Xango de Ouro Mario Brcelos,Carlinhos N´guanda,Djalma Ybonagé enfim de todos,abraços em todos Ogãn Magno[tuninho]de noticias acm.paz@hotmail.com ou filhosdapazcasadecutura@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  6. MAKWIU EU GOSTARIA MUITO De adiquirir as rezas de angola pois quando fui iniciado as rezas que foi dada são muito aportuguezadas foge muito da tradicional e eu tenho a apostila das rezas mas não consegui o ritmo poderia me ajudar pois fico com vergonha no momento dos rituais eu rzra o ingoroci cxom varios trechos em portugues mas foi como aprendi e eu vejo muitas pessoas criticando quando vc ñ sabe mas e muito dificil alguen fazer alguma coisa p/ mudar,tuasakidilanzambe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queira me desculpar, mas vou dar a minha humilde opinião a esse respeito. A Angola foi a primeira nação que veio para o Brasil. Além disso, foi colonizada por portugueses. Por que razão hão de debochar quando as rezas são aportuguesadas? Os Orixás conhecem a nossa língua há mais de quinhentos anos. O importante é rezar com o coração e saber o que está falando e/ou pedindo.
      Mukuiu no Zambi!

      Excluir
    2. eu acho que se vc ta no angola é necessário que busque a cultura a linguá,precisamos buscar o que os portugueses arrancaram de nós.vou deixar uma reza de lemba.
      Ha ame kaja dingoma me kinbanda ero dingue.
      Ha me kaja dingoma me kimbanda ero dingue.
      tata kimbanda inderçu di de ha, é cota de erece.
      tata kimbanda indereçu di de ha,é cota de erece. eu sou tata mukixi feito na nasção angola

      Excluir
  7. Olá, você poderia postar a letra da reza de Oxum que vc colocou no Youtube?

    http://www.youtube.com/watch?v=wt9gvqsX4u0&feature=related

    Aguardo resposta,
    Obrigada!
    Mukuiu com Zambi!

    ResponderExcluir
  8. Kitalamyn,
    Makwiu! Poderia me indicar uma casa de Angola em BH que não seja misturada com keto? Ou será que são todas assim?

    ResponderExcluir
  9. Achei muito bom sou da nação de angola mas o conteudo quê foi postado e odara parabéns gostaria de conhecelo melhor e aprender o candomble e uma faculdade sem fim nossa nação quê está acabando existem poucas casas de angola verdadeira mas uma vez parabéns!

    ResponderExcluir
  10. MUCUIU SEU TATA HÁ POSSIBILIDADE DE UM INICIADO UM MUZENZA
    SER CONFIRMADO JA FEITO SEM AS NECESSIDADES QUE ABRANGE A INICIAÇÃO,NÃO ME REFIRO OS CASOS DO KETO OS ABICUS,E SIM NA NAÇÃO DE ANGOLA???

    OUTRA VERTENTE SE NA NAÇÃO BANTU ANGOLA HÁ OS TAIS ODUS COMO NO KETO NAGO

    HÁ ITANS NA ANGOLA O QUE VEJO QUE MUITO COLOCAM AS HISTORIAS DOS ORIXAS NAGO NA LENDAS DOS JINKISSIS LEMBRANDO QUE ELES NUNCA ENCARNARAM NA TERRA COMO OS NAGOS OS JINKISIS SÃO HAMBAS
    SOU ESTUDIOSO PESQUISADOR DA NAÇÃO BANTU ANGOLA SOU MUZENZA NÃO ESTOU EM NEMHUM INZO SOU DE SP ABRAÇOS

    ResponderExcluir
  11. MUCUIU...SEU TATA NÃO VOU PERTUBAR O SENHOR COM PERGUNTAS DE FUNDAMENTOS.EU TENHO COMPULSÃO POR CONHECIMENTOS TO ME CONTROLANDO, MAS FICA PRA QUANDO PRONTO SEU TATA A APOSTILHA
    DE ANGOLA AONDE COMPRAR SOU DE SP - CAPITAL .
    ADOREI O SEU LIVRO JAMBERESU UM GRANDE PASSO PARA UM MUZENZA
    MARAVILHA UM ABRAÇO DE MUITA PAZ

    ResponderExcluir

Explicando Definitivamente o Candomblé / Animismo

Como já foi explicado por muitos estudiosos, o Candomblé / Animismo é uma Religião que cultua fundamentalmente a Natureza. No Brasil, o Animismo ganhou o nome de Candomblé...o Culto ao Orixá, que é a mesma coisa que Culto à Natureza. Porém, podemos explicar resumidamente o Animismo e/ou Candomblé, em três itens:

MITOLOGIA; LITURGIA; LÓGICA PLENA.


MITOLOGIA – O Animismo não criou livros, manuais. Trata-se de “TRADIÇÃO ORAL”. E os antigos africanos, para melhor se fazer entender aos mais jovens, personificou cada força da natureza, cada Orixá. E assim, as passagens de cada um deles, por milênios, foi sendo passada de pai para filho, e assim por diante.


LITURGIA – Os cânticos, os toques e oferendas se baseiam em cada uma das forças elementares da Natureza. Os rituais homenageiam o vento, as águas doces, o mar, a floresta, as pedras, as montanhas, os rios, a chuva, os raios, os trovões, enfim, todo movimento natural. A cada um deles, um procedimento litúrgico e milenar.


LÓGICA PLENA – O Animismo, embora poucos se atenham a este detalhe, se baseia na lógica, que difere completamente do mito. O Animista ensina que fazemos parte da Natureza e, por assim dizer, os Orixás atuam nos mínimos movimentos, sejam externos, no ato de misturar-se condimentos ou no ato de se acender uma fogueira, como no interno, ou seja, no funcionamento de nosso organismo, que sustenta a vida.


A Liturgia sustenta a Mitologia. A Lógica Plena é a função essencial do Animismo/Candomblé. É assim que funciona. Um grande segredo que na verdade está em todo lugar, para todos verem. Basta querer entender.

OS ODÚS E A CRIAÇÃO DO MUNDO

Odu quer dizer destino, signo, karma...

Olorun, o Deus Todo Poderoso, criou para este Planeta 16 odus principais, ou seja, 16 destinos possíveis. Cada um dos principais desdobra-se em 16, chamados de Omo-Odu, perfazendo um total de 256 odus. Cada um dos odus principais vai delinear uma situação, um objetivo, virtude e defeito. A Lógica desses 16 odus diz que cada um deles foi criado para dar corpo aos adjetivos bom, mau, feio, bonito, forte, fraco, triste, alegre e assim por diante, influenciando diretamente no comportamento de tudo aquilo que tem vida. Cada um deles carrega consigo um ponto de explicação determinado, assim definido:

Okanran – A Insubordinação

Eji-Okô – A Dúvida

Etá-Ogundá – A Obstinação

Irosun – A Calma

Oxé – O Brilho

Obará – A Riqueza

Odi – A Violência

Eji-Olíne – A Intranqüilidade

Ossá – A Alienação

Ofun – A Doença

Owanrin – A Pressa

Eji-Laxeborá – A Justiça

Eji-Ologbon – A Meditação

Iká-Ori - A Sabedoria

Ogbé-Ogundá – O Discernimento

Alafiá – A Paz

Os estudos sobre a Mitologia inca dizem que o 4 é o número de fixação, o número energético, o número magnético do planeta Terra. Este número multiplicado por ele mesmo, resulta 16, coincidentemente a mesma quantidade de odus principais, coincidência igual à questão da criação do mundo, segundo os nagôs. Para eles o mundo teria sido criado em 4 dias. Quatro também é a semana ioruba, ou seja, nagô, Olorun, então, teria criado quatro odus por dia, danto um total de 16, em quatro dias:

1º dia: Okanran, Eji-Okô, Etá-Ogundá e Irosun.

2º dia: Oxé, Obará, Odi, Eji-Okíle.

3º dia: Ossá, Ofun, Owanrin e Eji-Laxeborá.

4º dia: Eji-Ologbon, Iká-ori, Ogbé-Ogundá e Alafiá.

Desta iniciativa de Olorun, de criar 16 destinos possíveis, conclui-se que seu objetivo foi proporcionar personalidade a tudo a que ele mesmo deu vida, dar capacidade de comportamento a estes seres, uma vez que sabemos que tudo aquilo que tem vida, seja animal ou vegetal, tem a regência de um Odu, melhor, tem o seu destino delineado previamente.

Falamos de animais e vegetais mais confortavelmente. Deixemos por ora os minerais em compasso de espera, uma vez que os estudos sobre estes ainda não estão concluídos.

Olorun, através de suas divindades trabalhadores, de seus Arcanjos, fez o mundo. Criou a Terra, a Água, o Ar e o Fogo, os 4 elementos da Natureza (novamente confrontamo-nos como o número 4). E os elementos provenientes destes quatro elementais formaram as demais coisas vivas deste planeta.

Atribui-se a cada elemento principal quatro odus, ou seja, quatro destinos a eles ligados, que estariam assim distribuídos:

Terra – Irosun, Obará, Eji-Laxeborá e Iká-Ori.

Água – Eji-Okô, Oxé, Ossá e Eji-Ologbon

Ar – Eji-Oníle, Ofun, Ogbé-Ogundá e Alafiá.

Fogo – Okanran, Etá-Ogundá, Odi e Owanrin.

Voltamos à criação do mundo e dos odus na semana ioruba. No primeiro dia, foram criados os seguintes ogus: de Fogo (Okanran); Água (Eji-Okô); novamente o Fogo (Etá-Ogundá) e Terra (Irosun). No segundo dia Olorun criou mais quatro odus> Água (Oxé); Terra (Obará); Fogo (Odir) e Ar (Eji-Oníle). No terceiro dia foram criados os odus: Água (Ossá); Ar (Ofun); Fogo (Owanrin) e Terra (Eji-Laxeborá). No último dia, Olorun ratou da criação dos odus: Água (Eji-Ologbon); Terra (Iká-Ori); Ar (Ogbé-Ogundá) e novamente Ar (Alafiá).


A Lógica diz que cada um dos quatro odus criados por dia, corresponderia a cada um dos elementais, isto, de fato, aconteceu no segundo e terceiro dias como pode ser visto, mas houve mudanças, tanto no primeiro dia de criação, quando foram criados dois elementos Fogo, como no último dia, onde o elemento Ar aparece também duas vezes.

Por coincidência, isto veio a determinar os dois pólos de Panteão dos Orixás, onde aparecem: (a) Exu, como primeiro pólo, princípio ativo da vida, primeira chama do Universo, cujo elemento é o Fogo; e (b) Oxalá, que é o elemento último da corte dos orixás, princípio ativo da morte, o último suspiro de vida, cujo elemento é o Ar.

A Lógica da criação do mundo, segundo os sábios africanos tem, assim, bastante clareza, pois Olorun criou os odus, quatro por dia, em quatro dias, perfazendo 16 odus. Se levarmos com conta o provérbio “onde há fogo, há vida”, veremos que foi necessário a criação de dois odus ligados ao elemento Fogo, logo no primeiro dia, para que a vida tivesse força, melhor dizendo, para que o Fogo fosse o elemento de grande força de impulsão da vida. Olorun, então, deu equilíbrio de forças nos dois dias subseqüentes, criando odus ligados aos quatro elementais da natureza e, por fim, terminou no quarto dia criando os quatro odus, dois deles, entretanto, ligados ao elemento Ar, o que determinaria a força que se esvai. Explicando melhor: Ar, último suspiro de vida. Dois elementos Ar, no último dia. É o oposto da criação do primeiro dia. Se o Fogo confirma a vida, o Ar vai confirmar a morte, o fim da vida. Por este motivo é que Exu, o primeiro Orixá a ser criado, é o elemento Fogo, ligado à fecundação, ao princípio da vida, e que Oxalá, o último Orixá a ser citado, é o elemento Ar, ligado ao brando que é o luto, morte, o princípio do fim daquilo que vive.

O estudo de Odús no Brasil é restrito a alguns poucos Babalorixás e Yalorixás (Zeladores de Orixás), assim como a Oluwôs (chamados de videntes, ancião, manipuladores dos Búzios e Opelé-Ifá – que é outro tipo de oráculo). Mas com certeza, nascemos e vivemos sob a Numerologia dos Odús, sob sua influência...isso é certo!

Texto extraído do livro:

“OS ORIXÁS E O SEGREDO DA VIDA”

De Mario Cesar Barcellos

Pallas Editora - RJ